sábado, 15 de dezembro de 2012

Capitulo 24 (parte I)


Olá! :)
Bem, fica aqui mais um capitulo, espero que gostem e deixem os vossos comentários!
Obrigada pelas visitas e por todos os comentários até agora! Significam muito para mim! :D

Beijinhos*
Mónica

(Visão Rúben)

Acabámos por almoçar em casa delas e houveram algumas picardias entre mim e a Andy durante o almoço. Eu gozava com ela por ter de comer sopa e tentava fazer-lhe inveja com o que nós os três comíamos. Ela dizia que eu era um chato e essas ofensas não-ofensivas do costume. Já sentia saudades de andarmos sempre a desconversar. Mas só as desconversas boas, porque as más não deixam saudade a ninguém… Finalmente voltei a ter a minha Andy, e por isso ia aproveitar, mas o que ela admitiu nos delírios nunca iria esquecer, e na altura certa iria conversar com ela. Depois de almoço a Andy quase exigiu que fossemos passear pois não suportava mais estar em casa, então lembrei-me de dar-lhe um miminho, visto que ela me tinha dado esta oportunidade de voltar a ter assim a minha melhor amiga. Disse ao Rodrigo e à Mónica onde íamos quando a Andy subiu até ao quarto para ir buscar o casaco, e pedi-lhes que mantivessem sigilo, pois queria fazer uma surpresa à Andy. Depois de ela descer, saímos para os carros e ela veio comigo. Passámos a viagem a cantar e a conversar animadamente.

-Onde é que vamos, Rúben? – perguntou-me, faltavam apenas alguns quilómetros para chegarmos.

-Já vais ver.

-Oh Rúben, diz lá! – voltou a pedir, curiosa. Eu sorri, acenando negativamente com a cabeça. Finalmente chegámos. – Sintra? – disse ela deslumbrada. – A sério, Rúben? – virou-se para mim e sorriu, contente.

-Gostas, não gostas? – sorri.

-Adoro! – respondeu com um enorme sorriso.

-Eu sei que sim. – Ela olhou para mim, ainda a sorrir. – Bem, vamos sair do carro? Eles os dois também já chegaram – sugeri. Tirámos os cintos de segurança e saímos do carro. Tranquei-o.

-Esse sítio é mesmo lindo. Né Andreia? – comentou o Rodrigo, falando para a Andy com uma voz insinuosa, quando eles se juntaram a nós.

-É, é lindo… - respondeu ela, ainda absorta na beleza do local. Depois pareceu tomar sentido ao tom de voz. – Vocês sabiam que vínhamos para aqui?

-Sim – respondeu a Mónica.

-E não me disseram nada!

-Era para ser surpresa! Se te disséssemos não tinha piada!

-Claro! Perdia a piada toda! Queria que a minha surpresa corresse bem – sorri, reforçando que a surpresa tinha sido minha, apenas para me meter com a Mónica e com o Rodrigo.

-Esteja descansado que ninguém lhe vai tirar o mérito nem o protagonismo, Sr. Rúben! – Riu a Mónica, levando-nos a rir a todos.

-Bem, mas vamos passear ou viémos aqui só para gastar combustível? – sugeri.

-Essa foi seca, Rúben! – comentou o Rodrigo. Ri ironicamente.

-Mete-lhe água para ver se deixa de ser tão seca! – gozei. Todos rimos novamente. Depois começámos a andar.
 




 

Depois de termos andado bastante, arranjámos um sítiozinho no meio da Serra de Sintra para estendermos a toalha que tínhamos trazido para lancharmos, pois quando decidimos que íamos passear resolvemos preparar um lanche para levarmos, e enquanto agora o comíamos, conversávamos animadamente, sempre com muitas gargalhadas.





 Ficámos ali a conviver durante algum tempo e depois acabámos por arrumar as coisas e continuar o nosso passeio. Todos adorávamos aquele ambiente no meio da Serra e a companhia também era a melhor. Quando regressámos para os carros eu decidi oferecer o jantar a todos, em minha casa, e prometi à Andy que não lhe dava sopa para o jantar, mas teria de fazer alguma coisa especial para ela, pois ainda tinha de ter algum cuidado. Voltámos todos a encontrar-nos à porta de minha casa. Quando chegamos já eram quase horas de jantar, por isso eu e o Rodrigo fomos para a cozinha enquanto as meninas ficaram na sala, no entanto, pouco depois, foram para a cozinha fazer-nos companhia e conseguiram desconcentrar-nos. O Rodrigo perdia-se a olhar para a namorada, mas eu também olhava para a mulher que amava, e apesar de não poder demonstrar tal sentimento, como víamos a Mónica e o Rodrigo fazer, eu sentia-me feliz por voltar a poder ver o sorriso da minha melhor amiga e poder voltar àquele clima de brincadeira e desconversa divertida que sempre tivemos. Acabámos de fazer o jantar, fomos pôr a mesa e logo a seguir fomos sentar-nos à mesa, pois eu já estava a morrer de fome e o Rodrigo concordou que também já estava a ‘’ficar com fome’’, como se não estivesse assim com muita fome! Servimo-nos e começámos a comer, mas com a pressa queimei-me.

-Au!

-Sempre com a pressa, Rúben! O comer não vai fugir do prato! – riu a Any, assim como a Mónica e o Rodrigo.

-E vocês riem-se! Obrigado! – agradeci, ironicamente.

-Desculpa Rúben, mas teve piada! – disse a Mónica.

-É, a sua cara foi demais! – riu o Rodrigo.

Dei uma gargalhada irónica.

-Piada! Vamos mas é comer! – voltei a ironizar.

-Vê lá se não te queimas outra vez… - advertiu a minha melhor amiga, tentando não se rir.

-Se queimar vocês não vão saber que é para não ter de ouvir mais piadas! – respondi seriamente, no entanto não evitei sorrir em seguida.

O resto do jantar decorreu com as normais piadas e com muitas gargalhadas, obviamente. Depois de jantar ficámos à conversa até que o Rodrigo foi embora, então eu fui levá-las a casa. Após me despedir delas iniciei caminho de regresso a casa. A noite estava fria, mas o céu estava limpo e a lua bem visível. Enquanto andava, sorria. Sentia-me feliz. Voltar a ter a minha melhor amiga comigo era o que eu mais tinha pedido, para agora. E voltei a tê-la. Teimosa, respondona, mas sempre com um sorriso para me oferecer. Estava a pensar em várias coisas para fazer uma nova surpresa à minha melhor amiga, e finalmente ocorreu-me uma ideia fantástica. Sabia que ela ia adorar. Peguei no telemóvel e liguei ao Rodrigo.

-Olha, leva a tua namorada a passear amanhã logo cedo! – disse eu assim que ele atendeu.

-Hã? Qu’qui cê tá dizendo Rúben? – perguntou, confuso. Repeti. – Agora mais devagar qui eu não entendi nada.

-Fogo! Estava a pedir-te para levares a tua namorada a passear amanhã bem cedo.

-Porquê cê tá me pedindo isso?

-Porque eu preciso que a Andy esteja sozinha para me dizer que sim.

-Dizer qui sim ao quê?

-Quero fazer-lhe uma surpresa e preciso que ela não tenha ninguém com quem se desculpar para aceitar vir comigo.

-Ah, tá bom, não se preocupa. Eu e a Mónica já tínhamos falado e a gente precisa mesmo ir tratar de um assunto – respondeu seriamente.

-Ok, obrigado. Mas está tudo bem?

-Por enquanto sim. Vamo esperar é qui depois continue.

-Mas posso fazer alguma coisa para vos ajudar?

-Não. A gente trata disso.

-Mas é grave?

-A gente vai conversar com o melhor amigo dela.

-Com o melhor amigo dela? Mas passou-se alguma coisa?

-Digamos qui ele também se apaixonou por ela.

-Hâ?! E o que é que vocês vão fazer?

-A gente vai conversar com ele e contar qui a gente tá junto.

-Ah, sim, acho que é o mais sensato.

-É. Só espero qui ele não pense qui a gente vai contar pra ele porqui eu quero atirar na cara dele qui ela me escolheu a mim. Não é nada disso. A gente só quer qui ele fique sabendo pela gente e não por outras pessoas.

-Claro. Mas para isso é que vocês vão conversar com ele. Vão explicar-lhe que não estão a gozar com ele, vocês simplesmente se apaixonaram, e ele não pode fazer nada em relação a isso.

-É mas o cara vai ficar mal, né? Ele gosta dela.

-Claro. Amar e não ser correspondido custa, mas se ele gostar realmente dela, e visto que eles são melhores amigos, ele vai querer que ela seja feliz, mesmo sem ser com ele. E vais ver que agora quando vocês se conhecerem ele vai perceber que tu és um tipo porreiro e que não estás a brincar com os sentimentos de ninguém.

-Logo eu…

-Logo tu? Agora não percebi.

-Deixa pra lá, tava pensando alto.

-Ok… Bem, então amanhã tiras a Mónica de casa, não é?

-Sim.

-A que horas mais ou menos?

-Perto das 9.00h.

-Está bem. Obrigado.

-De nada.

-Bem, então vá, até amanhã. E tenham calma que vai correr tudo bem.

-Tá bom, até amanhã. E bom passeio. Mas olha, não puxa muito qui a Andreia ainda não tá totalmente bem.

-Eu sei, não te preocupes.

-Nas outras vezes cê disse o mesmo…

-Mas desta vez apanhei um susto que ajudou a abrandar o ritmo da maneira como faço as coisas. Mas o coração aumentou o ritmo… - sorri, lembrando as palavras que a Andy tinha dito na noite passada.

-Por causa do susto qui você fez ela pegar na gente.

Não era totalmente devido a isso, mas…

-Sim, assustei-me mesmo.

-Você e todo mundo.

-Eu sei. Bem, já cheguei a casa por isso, até amanhã.

-Tchau.

Desliguei. Entrei em casa, subi até ao quarto, vesti o pijama e fi dormir. Tinha de recarregar as baterias para o longo dia que iria ter.

Qual será a surpresa do Rúben para a Andreia? E a conversa com o melhor amigo da Mónica, como correrá?

 

4 comentários:

  1. Respostas
    1. E terás, o mais rápido que conseguir :D

      Beijinhos*
      Mónica

      Eliminar
  2. Olá :D

    ADOREI MUITÃO!!! xD

    Espero que a Andreia perceba rápido o quanto "estúpida" está a ser por não se entregar finalmente ao Ruben e assumir que o ama verdadeiramente. Quero ver essa surpresa e espero que faça com que a Andreia assuma de uma vez por todas que ama o Ruben.

    Espero também que a conversa com o melhor amigo da Mónica corra bem e que ele compreenda que a Mónica ama o Rodrigo e que só o vê como um melhor amigo por quem sente uma grande amizade e carinho.

    Fico anciosamente á espera do próximo.

    Beijinhos
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Beatriz! :D
      Ainda bem que gostaste tanto! É o que pretendo! :D
      Bem, daqui a pouco tempo saberás mais sobre ambos os assuntos :D

      Beijinhos*
      Mónica

      Eliminar